Aberta a temporada de Festas Juninas, um dos festejos populares mais comemorados no Brasil

Aberta a temporada de Festas Juninas, um dos festejos populares mais comemorados no Brasil

 

Religiosidade popular, comidas e danças típicas, música regional. Dessa combinação, se faz um dos festejos populares mais comemorados pelos brasileiros: as festas juninas. As celebrações movimentam o calendário a partir de maio e tem seu ápice em junho, mês de comemoração de três santos católicos: Santo Antônio (13), São João (24) e São Pedro (29).

As festas de Caruaru (PE) e Campina Grande (PB) disputam o título de maior São João do Mundo, atraindo multidões. Juntas, as duas cidades devem receber 5 milhões de pessoas este ano. Mossoró (RN) é outro destaque da agenda nacional, além de São Luís (MA) Teresina (PI), Salvador (BA), Aracaju (SE) e Ceilândia (DF). Cada qual com suas características próprias.

Muito além de devoção e diversão, essas festas são verdadeiras oportunidades para se valorizar e apreciar manifestações da cultura popular brasileira. Em junho, o Ministério da Cultura (MinC) lança um edital de Culturas Populares, por meio do qual serão premiadas 500 iniciativas que fortaleçam expressões como quadrilhas, cordéis, bumba-meu-boi, entre outras.

Joanina
Trazida pelos portugueses, a festa junina se chamava “Joanina”, pois fazia parte das celebrações do dia de João Batista. Segundo uma crença católica, Isabel, prima de Maria, mãe de Jesus Cristo, teria feito uma fogueira para avisar sobre o nascimento de seu filho João Batista. Outras tradições, no entanto, afirmam que as fogueiras afastam os maus espíritos e têm poder de purificação.

Além da fogueira, fogos de artifício e bandeirinhas estão espalhadas por um Brasil em festa nesse período. Em Caruaru (PE) e Campina Grande (PB), integram as programações atrações que vão de ícones da cultura local a grandes nomes da música nacional. Em dezembro de 2016, o Ministério da Cultura (MinC) disponibilizou R$ 300 mil para cada uma dessas festas juninas.

Já Mossoró (RN) investe na cultura local com a apresentação do espetáculo “Chuva de Bala no Pais de Mossoró”. Ao longo da programação junina, a cidade libertária revive o dia 13 de junho de 1927 (dia de Santo Antônio), quando até as torres das igrejas serviram de trincheiras para enfrentar o bando de Lampião, que experimentou na ocasião sua primeira derrota após a própria população ter resistido contra o bando do cangaceiro. Já em São Luís (MA), se destacam o rufar dos tambores e diferentes sotaques da música local, em uma celebração que mistura festa junina com a tradição do bumba-meu-boi.

Confira abaixo os detalhes dessas e de outras festas juninas espalhadas pelo País:

Campina Grande (Paraíba)
Bem-vindos ao Maior São João do Mundo! É assim que Campina Grande recebe quem chega à cidade durante as festas juninas, que este ano acontecem do dia 2 de junho ao dia 2 de julho. Durante os 30 dias de festejos, são esperadas 2,5 milhões de pessoas. Segundo a prefeitura local, o São João se consolida como o maior evento do interior brasileiro e um dos mais importantes do País. Além das centenas de atrações que se apresentam no Parque do Povo, que sedia o evento desde 1983, o público ainda conta com o Trem do Forró, uma locomotiva forrozeira que sai de Campina Grande e segue para o distrito de Galante, na zona rural, onde é possível apreciar shows e comidas típicas. A cidade de Campina ainda oferece uma atração inusitada, no dia 12 de junho: um casamento coletivo voltado para 120 casais, festejado com forró e fogueira. Confira a programação: http://saojoaodecampina.com.br/programacao/

Caruaru (Pernambuco)
Conhecida como a “Capital do Forró”, Caruaru se transforma em um verdadeiro arraial a céu aberto durante o período junino. Entre os dias 3 e 29 de junho, a comunidade local apresenta o que defende ser o “Maior e Melhor São João do Mundo”, em uma saudável disputa com o São João de Campina Grande. Este ano, a prefeitura estima que cerca de 2,5 milhões de pessoas transitem pela cidade no período, usufruindo de mais de 400 atrações. Além do palco principal, no pátio de eventos Luiz “Lua” Gonzaga, por onde passam dezenas de artistas, há programas como uma visita ao Alto do Moura, que reúne música, gastronomia e artesanato. Ao longo de toda a cidade, as pessoas se deparam com desfiles, apresentações e concursos de quadrilhas matutas e estilizadas, shows pirotécnicos, forró pé-de-serra, forró estilizado, bacamarteiros, baião, xaxado, mazurca, blocos juninos, apresentações de cordelistas, repentistas e emboladores, bandas de pífanos, exposições de artes, etc. Como diz o músico Jorge de Altinho, “quem vem pra Caruaru, de longe vê o clarão, o céu fica colorido, de tantos foguetes e balões (…) é por isso que Caruaru, é a Capital do Forró”. O São João 2017 homenageia o jornalista e escritor José Condé (in memoriam), o artista plástico Gineton Magalhães (in memoriam), a cantora Joana Angélica e a atriz e diretora Arary Marrocos. Confira a programação: http://caruarunosaojoao.com.br/

Mossoró (Rio Grande do Norte)
Uma das mais tradicionais festas juninas do Nordeste e o “São João mais cultural do Brasil”, a Mossoró Cidade Junina (MCJ) toma conta da interiorana cidade potiguar no período. Com um mês de duração (2 de junho a 2 de julho), o evento é caracterizado pela presença de atrações nacionais, regionais e, principalmente, pela valorização dos artistas da terra. Entre as tradições apresentadas, está o espetáculo “Chuva de Bala”, encenado em frente à Capela de São Vicente, e que conta a história dos mossoroenses que expulsaram o bando de Lampião da cidade, em 1927. Festival de quadrilhas, shows e comidas típicas ocupam diversos espaços da cidade, como o Pingo da Mei Dia, a Estação das Artes Eliseu Ventania, o Adro da Capela de São Vicente, a Cidadela e a Boca da Noite. Confira a programação: http://mossorocidadejunina.hospedagemdesites.ws/

São Luís (Maranhão)
O São João de São Luís é uma profusão de músicas, danças e sabores durante o período de festas juninas. A capital maranhense apresenta diversas manifestações culturais, como o bumba-meu-boi, o tambor de crioula e o cacuriá, além das tradicionais quadrilhas. Um dos destaques é mesmo o bumba-meu-boi, reconhecido como Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 2011. Mais do que uma forma de expressão, o bumba-meu-boi é considerado uma grande celebração aos santos juninos, ao ciclo vital e ao boi. Durante o período, grupos folclóricos de todo o estado se encontram nas ruas da capital maranhense para contar a história da escrava Catarina e de seu marido, que precisam ressuscitar o animal que haviam matado. O principal palco de shows e atividades culturais é a Praça Maria Aragão, localizada no centro da cidade – além das tradicionais barracas de palha, os palcos recebem personagens característicos da cultura local, como o Boi da Fé em Deus (sotaque de zabumba), Boi Brilho do Sol Nascente (sotaque de orquestra) e Boi de Maracanã (sotaque de matraca). Confira a programação: https://www.saoluis.ma.gov.br/

Teresina (Piauí)
Em junho, Teresina também se transforma num grande arraial. Uma das atrações, a Cidade Junina, reúne quadrilhas, shows, casamento comunitário e festival gastronômico entre os dias 10 e 17 de junho. Em 2017, a 23ª edição do evento traz o tema Sabores do Piauí e conta com dezenas de atrações confirmadas, com valorização de artistas piauienses. A capital ainda costuma abrigar o tradicional Encontro Nacional de Folguedos, que mantém viva tradições e manifestações culturais, reunindo grupos folclóricos de todo o País. A 486 km de Teresina, a cidade de São João do Piauí também promete muita festa. Com São João Batista como padroeiro, as festividades juninas da cidade são marcadas pela religiosidade e valorização da cultura popular. Confira a programação: http://www.cidadejuninapi.com.br/

Salvador (Bahia)
E não é só de carnaval que vive a Bahia! Na capital, podem ser apreciados concursos de quadrilhas, shows de forró e uma rica gastronomia baiana e junina. Seja no Pelourinho ou nas praças e largos do Centro Histórico, a cidade oferece uma rica programação para moradores e turistas. Mas as festas de São João não se limitam à capital – elas vigoram em diversas cidades do interior baiano, entre elas Senhor do Bonfim, a “Capital Baiana do Forró”, localizada a 380km de Salvador. Já Amargosa, a 250km da capital, tem uma das festas mais animadas do Estado, com a Vila do Forró, praças gastronômicas e diversas atrações culturais. Com uma grande estrutura, o município de Santo Antônio de Jesus, localizado a 190km de Salvador, defende o título de “O melhor São João da Bahia”. Com amplo espaço para manifestações culturais, a cidade se destaca pelas atrações. Outras cidades figuram no mapa das atrações juninas baianas, como Itatim, Irecê, Mucugê, Cachoeira, Cruz das Almas, Catu, Camaçari, Ilhéus, Castro Alves, Maragogipe e Piritiba.

Aracaju (Sergipe)*
Em junho, o som da sanfona e da zabumba tomam conta da capital sergipana. No centro da cidade, o Forró Caju promove apresentações de nomes da música brasileira e artistas regionais. Anualmente, mais de 500 mil pessoas se reúnem para curtir shows de bandas e quadrilhas. A população local e turistas ainda podem prestigiar o tradicional concurso de quadrilhas juninas da Rua de São João, na zona norte de Aracaju. Desde 1910, a rua se transforma, no mês de junho, em um verdadeiro arraial para comemorar os santos do ciclo junino. Confira a programação: http://www.aracaju.se.gov.br/index.php

Ceilândia (Distrito Federal)
Na região administrativa localizada a 23km do centro de Brasília, acontece em agosto O Maior São João do Cerrado, que também é a maior festa junina fora de época do País. Na arena montada para a festa, sempre estão presentes os palcos para shows, uma bela decoração, um parque de diversões e a oferta da gastronomia nordestina. As ilhas de forró “Rala Bucho”, “Rabo de Saia” e “Xamego Bom” representam as palhoças tradicionais do interior do Nordeste e garantem o melhor do forró “pé-de-serra. A Arena do Folclore é o ponto de encontro das mais variadas manifestações folclóricas, vindas de todos os cantos do mundo. Já a Praça do Mamulengo é tomada por palhaços e malabares. Em 2017, o São João completa 10 anos defendendo a multiplicidade cultural: “gerado na diversidade do festar, esse arraial se arquiteta em várias tradições, obra do imaginário popular”. Confira a programação: http://www.saojoaodocerrado.com.br/

 

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Com informações do Ministério do Turismo